quinta-feira, 7 de julho de 2011

E ai?


Quando as coisas apertam, as pessoas costumam recuar em suas promessas, nas quais juraram com firmeza que cumpririam até o fim, no entanto no primeiro problema que aparece um balde de água fria nos é jogado e acordamos para uma realidade no qual nos diz que é melhor desistir, é como se estivessemos em uma ilha e que por trás daquela linha imaginária estivesse a nossa salvação, a solução esta aparente, construir um barco e atravessar-la, sempre que fazemos alguma promessa, a ideia pessimista nos parece fácil de torna-la real, mas aos primeiros obstáculos nossa coragem vai se esvaindo aos poucos, até que nosso otimismo nos aponta nossas fraquezas, nos fazendo mentalmente pessoas incapazes de tal realização.
O que fazer agora? Deixar que a parte otimista do seu pensamento se sobreponha a pessimista, deixando a tomar conta do seu físico? Ou seguir em frente...


Certa vez num documentário de um acidente bastante famoso pelas circunstâncias durante toda a tragédia, uma das vítimas que lutava pela sua vida e a vida de seus amigos, cansado demais para continuar e quase desistindo e se entregando a morte pela exaustão física e mental, a morte algo tão doce naquele momento, uma ideia que lhe parecia tão saborosa, buscou na sua mente o pessimismo de seguir em frente. Ele se perguntou, o que ele estava pensando,  lutou tanto pra estar vivo e agora não poderia desistir, estava respirando, estava vivo, e até que viesse seu último suspiro ele estaria lutando pra salvar sua vida e a de seus amigos.
Acidente nos Andes, 1972.

Quando eu assisti aquele documentário a minha vida começou a ser vista de uma forma diferente, digamos, menos fútil. Meus sofrimentos, minhas angústias não são nem de longe comparadas a aquelas em que essas pessoas presenciaram e viveram, essa história me fez ser mais pessimista e menos otimista, lutar pelos meus sonhos e pelas pessoas que eu amo, dar valor a minha família e a tudo que tenho. E você quando vai deixar de se preocupar se o cabelo não ta do jeito que você quer, ou porque aquela pessoa tem tudo que você quer, que sua vida é uma merda por coisas fúteis, materiais nas quais na morte você não levará consigo, só apenas seus sentimentos. E ai?

Nenhum comentário: